FacebookTwitterGoogle+Linkedin
Biscoito da Sorte
Aceita um biscoito da sorte? É só clicar e descobrir a surpresa que tem dentro dele pra você!
X
No meio escolar, os hábitos demonstrados pelos educadores também não foram dos mais bonitos. Foram diversas as manifestações dos lecionadores – ocasionalmente de forma verbal explícita – que alardeavam serem as remunerações pecuniárias pelo serviço prestado a única razão de comparecimento desgostoso àquela jaula.

Exceções sempre há. O professor de matemática era da espécie que carregava uma atmosfera condutora de ares provenientes de umas duas ou três décadas anteriores ao meu nascimento, realce do arquétipo que marcha com uma régua na mão e calça galochas em dias chuvosos. E, por mais que nos empenhemos, não conseguimos imaginá-lo frequentando um toalete.

Todavia, um adolescente contestador não encontra dificuldade em forjar situações provocativas com o fim de descobrir a "verdadeira verdade". Bastam poucos desafios pirracentos para que a máscara do protótipo de tradicionalista resvale e desça ao solo.

Um par de réplicas antagônicas às explanações didáticas foi suficiente para assistir a um espetáculo elegante do nobre pedagogo com direito a apagador de lousa estourando vidraça e gritos afeminados histéricos.Clicando aqui, você lê a crônica completa
X
Ele foi capturado na saída da faculdade, encapuzado e levado para os porões do DOPS.
Interrogado por dois milicos, o professor começou a ficar nervosinho.

Percebendo que haviam cometido um engano, propuseram soltar o docente e lhe dar o dinheiro para o táxi, mas Ruy K. não aceitou a oferta e, batendo perninha, fez os dois homens levá-lo até a casa dele. Após os pedidos de desculpas, despediram-se dele.

Mas K. objetou e obrigou os valentes belicosos a adentrarem sua residência e explicarem tudo à sua esposa, que jamais acreditaria se a história fosse por ele contada.

É… é uma historinha interessante e seria mais interessante ainda se Ruy a tivesse contado apenas uma vez, mas aquele velho gagá contava as mesmas histórias todas as aulas.
O conteúdo programático que se danasse.Clicando aqui, você lê o texto completo
X
Em Portugal, o rei faleceu
E não deixou filhos no mundo
E quem herdou o trono seu
Foi o rei da Espanha Felipe Segundo.

Formou-se, então, a União Ibérica
Pra explorar ainda mais a América
E os holandeses protestantes
Não tinham mais açúcar como antes.
(Trecho da letra de música didática "A união ibérica")
Clicando aqui, você lê a letra completa
X
Mas, agora, ele era um estrangeiro em Queenstown. Tomando o seu cappuccino com chocolate – antes de ir ao aeroporto e pegar o avião para o estádio de rugby e assistir a um jogo do All Blacks, seu time adotado para torcer neste esporte que ele aprendera a apreciar – devaneava sobre as estratégias mercadológicas que adotaria para aprimorar o seu supremo produto, o seu negócio mais próspero: um jogo técnico de cartas cujos personagens eram astronautas e monstros selênicos.

Assim como, na lonjura de sua extrema mocidade, não se contentou com os limites impostos pelos artefatos prontos e embalados que eram as bolachas de vinil multicromadas, atualmente, profissional bem sucedido da carreira de marketing, não se atinha aos marcos da categoria gerencial de otimização. A ele aprazia tecer planejamentos inventivos.Clicando aqui, você lê o conto completo
X
Desvendado o mistério - Descoberto o verdadeiro culpado pelo que deu errado em sua vida.

No segundo semestre de 2010, fiz um curso de desenvolvimento pessoal, que durou um fim de semana inteiro. Disseram-nos, durante uma longa palestra, que, naquele dia, conheceríamos o verdadeiro responsável por todas as coisas que não ocorreram, na nossa vida, como gostaríamos. Os palestrantes instigaram a gente, fazendo-nos crer que poderíamos, enfim, saber o nome do culpado de tudo.

O que você faria se ficasse frente a frente com o responsável por todas as mazelas e infortúnios da sua vida? Vingar-se-ia? Daria uma sova nessa pessoa? Cometeria o irreversível pecado capital?
(Trecho da crônica para rádio "O teorema da responsabilidade")
Clicando aqui, você ouve a crônica
X
Mas eu preferi andar no centro
O ruído lá de fora não tá aqui dentro
Da minha cabeça, do coração
Dentro de mim fechado, tô na prisão.

Vivendo um mundo paralelo
Brincando com a foice e com o martelo
Sabendo que em algum lugar
Alguém vai estar
Sorrindo pra mim
Em BH.
(Trecho da letra da música "Amanhecer em BH")
Clicando aqui, você ouve a música